sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Deus nos pede uma Pós-Graduação!!!



Quando Deus está para realizar algo na terra, Ele chama um homem para si e o capacita. Trazendo isso para os dias de hoje, podemos perceber que Deus não está levantando somente um homem, mas sim uma geração inteira.
Nosso Deus trabalha com organização, planejamento e prazos. Nos planos de Deus não há falhas, imprevistos e erros, pois Ele não se esquece de nenhum detalhe. Ele não é surpreendido, pois tudo está sob Seu controle.
Deus nos pega e de alguma maneira nos mostra que têm propósitos nas nossas vidas, mas não estamos preparados, e é nesse estágio que Deus começa a nos treinar, forjar e capacitar. Ele nos constitui para tudo aquilo que tem preparado para nós. Para que isso aconteça Deus usa pessoas que nos façam exercer os ensinamentos dEle. Ele também usa circunstâncias, desertos e o que for preciso, pelo tempo que for necessário para que Ele veja que enfim pode confiar em nós.
Quando dizemos: Eis-me aqui, Deus escuta, analisa e percebe as nossas falhas, como a rebeldia, desobediência, vaidade, soberba e arrogância.
Quando achamos que já estamos graduados nas coisas de Deus, Ele vem é nos pede uma pós-graduação. ROMANOS 8:28
Deus te chamou porque Ele tem um propósito na sua vida e tudo vai cooperar para que esses propósitos aconteçam.
Podemos entender melhor isso observando a história do profeta Elias. Deus o escolhe, o ensina, o capacita e derrama sobre ele o espírito de profecia. O ministério desse homem começa quando ele confronta o rei Acabe, dizendo que ele ficaria anos sem ver a chuva e que a terra se secaria. Elias depois desse episódio é levado para Querite e é ali que se inicia seu processo de pós-graduação com Deus.
Deus começa a treiná-lo, e ele aprende a confiar e a acreditar em Deus.Em seguida Elias se vê em Sarepta, que em hebraico é um verbo que significa fundir/refinar. No Querite, Elias foi treinado, forjado e aprendeu a confiar e acreditar em Deus. Em Sarepta, ele será refinado. Sarepta é a refinaria de Deus.
Elias foi sustentado por uma mulher viúva que não tinha alimento suficiente para ela própria e para o seu filho. Assim como a Elias, Deus nos ensina a suportar o impacto das mudanças, pois Ele sabe o nosso amanhã. Com todas essas mudanças, Deus ensina a Elias uma lição, talvez uma das mais importantes: a humildade. Precisamos entender que todas as pessoas usadas por Deus passam por situações de humilhação. Pois somente adquirimos a humildade na medida que passamos por essas experiências. Precisamos passar pela humilhação para que Deus nos mostre que não devemos fazer as coisas do nosso jeito, nem no nosso tempo, mas que em primeiro lugar devemos confiar e depender dEle em tudo. Pois nosso sustento e provisão vêm de Deus. E Elias viu isso em Sarepta, pois ali ele não ia ajudar, mas ia ser ajudado. Sabia que Deus não ia fazê-lo chegar até ali para passar fome, e que tudo o que estava acontecendo ia colaborar para o seu bem, para o seu crescimento. Ele foi um grande homem de Deus e mesmo passando por todas essas provas, não se deixou derrotar, pois ele sabia em quem cria, e se lembrou de tudo o que Deus já havia feito por ele, antes de tudo isso acontecer.
Elias foi provado e aprovado por Deus.
Devemos aprender que é a obediência que traz a autoridade que precisamos. E assim como Elias, nós precisamos passar por essas experiências e provações. Esse processo acontece da mesma forma com todos nós. Deus nos chama, nos prepara, nos ensina, nos forja e em seguida nos dá a oportunidade de glorificar, de confiar e depender dEle.
Podemos então nos perguntar:
O que será que Deus preparou para o meu futuro?
Quem eu serei amanhã nas mãos de Deus?
O que é o meu futuro nas mãos de Deus?
O que tenho feito para que isso aconteça?
Temos aproveitado as oportunidades que Deus nos dá, ou na primeira dificuldade reclamamos, saímos correndo ou ficamos questionando o agir de Deus? Quando as coisas se complicam você dobra o joelho e ora, ou vai procurar solução nas coisas do mundo?
Devemos aprender que quando há levantes é ai que nos aperfeiçoamos, pois nosso Deus transforma maldição em benção. Somos treinados para aprender e para agir.
Elias confiou, creu e Deus lhe deu a vitória.
“A sabedoria de Deus não pode ser encontrada nos livros, mas está em conhecer o propósito de tudo“.

Texto extraido do Blog Sacerdote Levita (06 de março de 2009)
Link: http://blogs.gospelmais.com.br/sacerdotelevita/deus-nos-pede-uma-pos-graduacao.html

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

O Reino em Primeiro Lugar




por Vincent Cheung.

Mateus 6:33

Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas estas coisas lhes serão acrescentadas.


Jesus diz em Mateus 6:33, “Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas estas coisas lhes serão acrescentadas”. Embora o seu significado pareça claro, este verso é freqüentemente entendido e praticado de maneira incorreta. Assim, muitas pessoas podem pensar que elas são praticantes da palavra, quando são meramente ouvintes da palavra (Tiago 1:22).

Algumas vezes pensamos que já cumprimos o que é requerido de nós, e sentimos bem sobre nós mesmos por isso, apenas porque concordamos com o que ouvimos da palavra de Deus. Algumas vezes entendemos incorretamente um verso como demandando algo menor do que aquilo que ele demanda, e assim, pensamos que já satisfazemos seus requerimentos, quando este não é o caso. Ou, algumas vezes, quando falhamos em satisfazer até mesmo este padrão menor, apenas diremos para nós mesmos, “Isto é perto o suficiente”. O resultado é que, em todas estas ocasiões, estamos agindo muito abaixo do que a palavra de Deus realmente demanda de nós, e desfrutando muito menos da vida e poder que Ele tem nos prometido.

No que se segue, consideraremos algumas das formas que as pessoas têm distorcido e desobedecido este verso. Então, consideraremos o correto entendimento deste verso assim como algumas das suas implicações.

Primeiro, há aqueles que exibem grosseira e descarada desobediência; eles explicitamente fazem da riqueza seu objeto de busca. [1] Certamente, isso caracteriza somente os incrédulos, e se caracteriza a sua vida, então você é um incrédulo, ainda caminhando para o sofrimento eterno no inferno.

Os incrédulos estão acostumados a fazer o exato oposto do que a palavra de Deus ordena (v. 32). Tudo do seu pensamento reflete o fato de que eles amam o “Dinheiro” e desprezam a Deus (v. 24). Seu típico objetivo na vida é alcançar riqueza e segurança financeira. Isto freqüentemente leva a uma ênfase sobre os meios para alcançar este objetivo, tais como educação secular e relacionamentos negociais.

Esperamos esta atitude para com a vida da parte dos incrédulos, mas muitos cristãos professos não são melhores. Eles freqüentemente admoestarão seus filhos a se focarem no trabalho escolar, mas eles não demonstram o mesmo nível de urgência quando lhes falando sobre o trabalho da igreja. Eles dizem aos seus filhos para estudar duro, para que eles consigam boas notas, entrem em boas escolas e faculdades, e, no final das contas, consigam bons empregos e salários. Mas sua agenda está longe de ser específica e ambiciosa quando diz respeito aos estudos teológicos de seus filhos e o futuro deles no ministério.

Isto é porque o reino não está em primeiro lugar com eles. Seja explicitamente ou implicitamente, seja por instrução ou exemplo, eles instilam em suas crianças a idéia de que o objetivo mais alto na vida é a segurança financeira, antes do que conhecer a Deus e trabalhar por Sua causa. Certamente, aqueles que ensinam isto para os seus filhos, já estão eles mesmos praticando o mesmo. Isto é inaceitável, e impróprio para aqueles que professam a fé. O problema é tão sério que deve ser duramente condenado.

Segundo, há aqueles que fazem da busca pelo reino de Deus o meio para se obter coisas materiais, e a riqueza ainda é o fim de toda a sua busca e esforço. Eles tomam o verso como um ensino ou até mesmo uma promessa de como obter legitimamente coisas materiais de Deus. Para eles, Jesus não está dizendo que uma pessoa deva evitar se esforçar por coisas materiais, mas Ele está dizendo que o caminho para se obtê-las é buscar primeiro o reino de Deus.

Esta atitude é essencialmente a mesma da outra. A diferença é que, ao invés de buscar riqueza diretamente e aparte de qualquer contexto cristão, eles agora se convencem de que estão buscando por coisas materiais através do “caminho correto”, buscando o reino de Deus no processo.

Contudo, isto é um engano, e contradiz o próprio ponto da passagem, que é dirigir nossa atenção e nossos esforços para longe da busca de coisas materiais, e ao invés disso, para uma busca do reino de Deus. Jesus não diz, “Buscai em primeiro lugar o reino de Deus, para que vocês obtenham dinheiro e outras coisas materiais”.

Terceiro, há aqueles que fazem da riqueza o meio pelo qual eles buscam e promovem o reino de Deus, mas eles assim o fazem de uma forma que realmente faz da riqueza o objeto direto de sua busca e esforço. Reivindicando que eles têm, no final das contas, Deus em mente, eles, todavia, centram suas vidas ao redor da riqueza e de outras coisas materiais, de forma que, se eles dão qualquer atenção ao reino de Deus de alguma forma, ela é obviamente muito menor do que um pensamento posterior para eles.

Alguns são mais ousados sobre isto. Eu tenho ouvido pessoas afirmarem que, embora seja verdade que este verso nos diga para buscar em primeiro lugar o reino de Deus, a melhor forma de buscar primeiro o reino é primeiro ficando tão rico quanto possível! E daí se você estuda, ora, se sacrifica, prega e aconselha? Uma pessoa rica pode pagar a instrução de cem pessoas como você de uma só pancada!

De acordo com eles, o modo de colocar o reino em primeiro lugar não é fazer algo pelo reino imediatamente, mas é ter uma “visão” mais larga, como ficando realmente rico primeiro para que você possa fazer largas contribuições para igrejas e ministérios. Isto é como suas mentes funcionam. Eles estão tão enganados que pensam que isto é o correto a se fazer, e até mesmo pensam que isto é o que este verso está realmente ensinando, de forma que eles não ficam embaraçados de admitir livremente isto. Da sua perspectiva, aqueles que buscam o reino de Deus através do sacrifício e disciplina, oração e estudo, são de fato inferiores em visão e habilidade.

Certamente, isto é apenas uma escusa para desobedecer ao verso. É uma reivindicação de que a melhor forma de obedecer ao verso é fazendo exatamente o oposto do que ele ordena. Jesus deixa claro que buscar em primeiro lugar o reino de Deus significa que não devemos buscar riqueza e outras coisas materiais, as coisas que os incrédulos consideram mais importantes, e os objetos imediatos de sua ambição e desejo.

Qualquer interpretação deste verso que faça da riqueza o objeto de nossa busca, o reino como meramente o meio para a riqueza, ou a escusa para buscar riqueza, é falsa. O verso ensina que o reino é o objeto de nossa busca, e outras coisas são na melhor das hipóteses os meios pelos quais buscamos o reino, e nunca devemos tornar estes meios em objetos de nossa busca. Quer estejamos falando de nosso trabalho, dinheiro, educação, tempo, habilidade, conhecimento, e até mesmo nossa família, não devemos colocar estas coisas acima do reino de Deus, mas devemos usá-las como os meios e os contextos pelos quais servimos a Deus e buscamos o Seu reino. O reino de Deus deve ser o objeto direto da nossa atenção; qualquer visão que comprometa isto é falsa.

Todavia, outra forma de distorcer o verso é representá-lo com ensinando uma ordem meramente cronológica –– que devemos buscar em primeiro lugar o reino, mas então buscar riqueza e outras coisas materiais. Esta visão pode parecer plausível por causa da palavra “em primeiro lugar”, mas ela não implica que Jesus está nos dizendo para meramente fazer da busca pelo reino o primeiro item numa agenda que contém muitos outros itens.

De fato, à partir da linguagem e do contexto do verso, parece que Jesus está nos dizendo para fazer da busca pelo reino o “primeiro” e assim, o único item na nossa agenda. No verso 33, Ele não diz, “Vocês devem servir a Deus e então ao Dinheiro”, nem diz Ele, “Vocês devem servir ao Dinheiro para que possam servir a Deus”. Antes, Ele já tinha dito no verso 24, “Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro”. Portanto, no verso 33, Ele está dizendo, “Vocês devem servir a Deus, e não ao Dinheiro, de forma alguma”.

Lemos no verso, “Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça (ativo), e todas estas coisas lhes serão acrescentadas (passivo)”. A primeira parte do verso nos diz o que devemos fazer; por outro lado, a segunda parte do verso não nos diz alguma outra coisa que também devamos fazer, mas simplesmente nos diz o que acontecerá. O ponto da passagem inteira é tirar nossa atenção das coisas materiais para ativamente buscarmos o reino de Deus.

Portanto, por “em primeiro lugar”, Jesus não está indicando que deveríamos dar ao reino de Deus uma prioridade meramente cronológica, mas que deveríamos ativamente fazer dele o único foco das nossas vidas, fazendo tudo o mais subserviente a ele. Em outras palavras, você não terá obedecido este verso apenas porque a “primeira” coisa que você fez de manhã foi meditar sobre uma passagem da Escritura por dois minutos, mas então colocou tudo o que é cristão fora da sua mente pelo resto do dia. Buscar em primeiro lugar o reino de Deus e a Sua justiça inclui pensar na Sua Palavra todos os dias e todas as noites (Salmo 1:2), mesmo enquanto você está fazendo outras coisas. Há muitas coisas competindo pela sua atenção durante todo o dia, e durante todo o tempo você deve colocar o reino de Deus “em primeiro lugar”; durante todo o tempo você deve deixá-lo controlar a sua agenda, o seu pensamento e o seu comportamento.

Isto não significa que você deve negligenciar ou abandonar alguma das coisas legítimas da sua vida. A Escritura ensina que é o seu dever atender à sua família, sua ocupação e aos assuntos práticos da vida que são necessários para sustentar um estilo de vida normal e para atuar na sociedade humana. Mas até mesmo estas coisas legítimas devem ser feitas no contexto de buscar o reino de Deus, e uma pessoa deve estar preparada para colocar o reino em primeiro lugar, mesmo à custa delas. Freqüentemente é por causa destas coisas “legítimas” que as pessoas negligenciam o reino de Deus, e ao mesmo tempo elas ainda pensam que estão buscando o reino em primeiro lugar, e assim, param de ser praticantes da palavra, para serem apenas ouvintes.

Num sermão sobre o mesmo verso, Warfield escreve:

Quantos pensam que seja irracional em Deus colocar o Seu serviço antes da provisão deles para si mesmos e para a família? Quantos de nós que temos sido capazes de nos “arriscar”, não pensamos que podemos “arriscar” nossas famílias aos cuidados de Deus? Quão sutis são as tentações! Mas, aqui nosso Senhor admoesta a todos eles em calmas palavras, “Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas”. Esta não é uma repreensão ao nosso ateísmo prático? [2]

Que questão penetrante! Talvez todos nós temos sido culpados de obedecer o verso somente até certa extensão (que é o mesmo que dizer que temos sido desobedientes a ele); temos tantas reservas aparentemente legítimas. Certamente é o nosso dever prover para as nossas famílias, e algumas vezes é doloroso para nós ver que eles devem abrir mão de certas coisas por causa do nosso serviço ao reino de Deus. Parece que até mesmo aqueles de nós que parecem cumprir este verso em muitos aspectos, ainda falhamos quando chegamos a este ponto.

Se ceder a isso significa desobedecer ao mandamento de Deus, então, isso é, no final das contas, uma preocupação carnal. Jesus nos diz para buscarmos o reino em primeiro lugar, e primeiro significa primeiro. Como Warfield observa, é ateísmo prático pensar “que não podemos confiar em Deus para a nossa prosperidade terrena, mas que devemos pedir a Ele que espere até que tenhamos nossas boas fortunas terrenas antes que possamos ter recurso para nos voltar para Ele”.[3] Nosso Senhor demanda nossa atenção agora e não mais tarde, e Ele requer de nós o servi-Lo continuamente e não intermitentemente; Ele nos ordena a colocá-Lo em primeiro lugar sempre. [4]

Qual é a nossa ambição? Ela é mundana ou espiritual? Ela é centrada ao redor do reino de Deus ou ao redor do nosso próprio pequeno império? Como temos notado, é fácil “enganar a si mesmo” (Tiago 1:22), e pensar que você é um praticante deste verso, quando é apenas um ouvinte; é fácil pensar que você está fazendo tudo o que ele diz, quando está muito longe disso. Este é o porquê temos gasto este tempo tentando entender este verso melhor, e desatar algumas das suas implicações para as nossas vidas.

Matthew Henry comenta que obedecer este verso significa “fazer da religião o seu negócio”, e “pensar na religião como a sua grande e principal preocupação” [5]. É isto que você está fazendo? É isto o que você está reforçando em sua família? A forma que você gasta o seu dinheiro e o seu tempo sugere que você está “fazendo da religião o seu negócio”? O que você está ensinando para os seus filhos? Você lhes diz repetidamente para estudar duro para que tenham empregos bons no futuro, ou você lhes diz para se focarem no desenvolvimento do conhecimento bíblico e do caráter, para que eles agradem e glorifiquem a Deus? Você alguma vez já lhes disse para parar de fazer a tarefa de casa para orar por um momento, ler um comentário, ou escrever um ensaio teológico?

Novamente, não estamos sugerindo que nossas crianças devam negligenciar o trabalho escolar e outros deveres, mas Jesus diz que devemos buscar o reino em primeiro lugar, e primeiro significa primeiro. Devemos crer que até mesmo as coisas necessárias com respeito à educação das crianças serão “acrescentadas a elas” se elas estiverem buscando em primeiro lugar o reino de Deus. Em todo caso, não há escusa para as nossas crianças saberem mais sobre álgebra do que sobre teologia, ou saberem mais sobre teorias de física do que sobre a mensagem de Paulo aos Romanos.

Alguns pais têm a carreira acadêmica de seus filhos toda planejada na hora deles entrarem na escola primária, se não antes disso, mas mui poucos parecem planejar seu treinamento teológico e o desenvolvimento do seu caráter em detalhes, para que eles se tornem cidadãos produtivos do reino de Deus.

Mas certamente, a paternidade não é o único aspecto das nossas vidas com a qual precisamos estar preocupados; estamos usando-a somente como um exemplo, e como algo com o qual podemos expor nossas verdadeiras prioridades e preocupações. Devemos examinar cada aspecto das nossas vidas para estarmos certos de que estamos realmente buscando em primeiro lugar o reino de Deus e a Sua justiça.



NOTAS:

[1] - Por “riqueza”, não estamos necessariamente nos referindo à grande prosperidade, mas à alimentação, vestimenta e coisas materiais em geral. [voltar]

[2] - Benjamin B. Warfield, Faith and Life (The Banner of Truth Trust, 1990), p. 46. [voltar]

[3] - Ibid. [voltar]

[4] - Certamente, isso não é uma escusa para negligenciar nossos deveres, pois algumas pessoas negligenciam tanto o reino como as suas famílias. [voltar]

[5] - Matthew Henry, Matthew Henry's Commentary on the Whole Bible (Hendrickson Publishers, 2001), p. 1642. [voltar]



LEITURA RECOMENDADA:

Vincent Cheung, The Sermon on the Mount

Benjamin B. Warfield, “This- and Other-Worldliness,” em Faith and Life
Nota sobre o autor: Vincent Cheung é o presidente da Reformation Ministries International [Ministério Reformado Internacional]. Ele é o autor de mais de vinte livros e centenas de palestras sobre uma vasta gama de tópicos na teologia, filosofia, apologética e espiritualidade. Através dos seus livros e palestras, ele está treinando cristãos para entender, proclamar, defender e praticar a cosmovisão bíblica como um sistema de pensamento abrangente e coerente, revelado por Deus na Escritura. Ele e sua esposa, Denise, residem em Boston, Massachusetts. http://www.rmiweb.org/

Traduzido por: Felipe Sabino de Araújo Neto
Cuiabá-MT, 24 de Abril de 2005.


Este artigo é parte integrante do portal http://www.monergismo.com/.
Link do artigo: http://www.monergismo.com/textos/comentarios/cheung_reino.htm

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Segundo o coração de Deus – As Características de Davi




O que seria um homem segundo o coração de Deus?
E quais suas características?
Estive meditando na palavra de Deus, e através da vida de Davi, fui edificado muito com sua vida.
Gostaria de compartilhar com os irmãos algumas dessas características.

Entre as características de Davi, um homem segundo o coração de Deus estão:

1) Ser escolhido de Deus – Diz a palavra de Deus: “Muitos são chamados, mas poucos são escolhidos (Mt 22:1-14). Davi era um escolhido de Deus. Bem diferente de Saul que foi escolhido pelos homens, Davi fora escolhido por Deus. O mesmo Deus escolhera Davi. Muitos podem dizer, aonde está a caractéristica de Davi nisso? Pois é, não precisamos de muita coisa para ser segundo o coração Dele, a não ser por um, que estejamos com puro coração e em comunhão com Deus. O Senhor disse a Samuel: Não olhes a aparência, nem seu tamanho, pois Deus olha o coração(I Sm 16:7). Davi era conhecido pelo Senhor pelo seu coração e pelos seus atos em Deus. Davi tinha comunhão com Deus, quando com sua harpa louvava ao Senhor, quando falava com o Deus.

Davi desde jovem gastava tempo com Deus. Uma frase eu ouvi que me marcou quando me converti foi: Se não gastar tempo com Deus, o Senhor não vai perder tempo contigo.

Davi era um desses que gastava tempo com Deus e que ouviu o chamado de Deus e o seguiu. Davi anelava pela presença de Deus e sabia que se o Espírito de Deus não fosse com ele, de nada adiantaria usar de força, pois o Senhor era sua força (Sl 51:11; Sl 22:19)

2) Ser adorador: A palavra de Deus diz que o Senhor procura adoradores que o adorem em espírito e em verdade(Jo 4:23). Davi era adorador. Podemos ver isso nos lindos salmos que o Espirito de Deus deu a Davi. Adoração não é somente cantar, mas viver uma vida de intimidade com o Pai todos os dias. Pelos inúmeros salmos podemos ver que ele passava um bom tempo com o Senhor.

Davi era cantor, porém ele não era conhecido apenas por isso, mas porque o Senhor era com ele (I Sm 16:18). Davi louvava o Senhor em todo tempo, não somente nas suas vitórias(Sl 34:1). Muitas vezes os cristãos louvam a Deus de lábios, mas seu coração está longe, pois em vão O adoram(Mt 15:8-9). Muitos louvam ao Senhor somente nas vitórias, outros nem nas vitórias. Muitos dependem de “shows gospel” para louvar a Deus, outros de “retiros”, congressos, outros dependem de um “mover” para louvar. Mas vemos que o verdadeiro adorador não louva somente na igreja, mas no secreto, em casa. O verdadeiro adorador, adora a Deus no tempo de crise, no tempo da tribulação. Devemos, como Davi, louvar ao Senhor em todo tempo, pois o Senhor é bom todo tempo.

3)Ser servo maduro: Apesar da pouca idade Davi já cuidava do rebanho, era pastor. Era responsável.
Ninguém deixaria alguém que não fosse responsável conduzir de seu rebanho, pois o rebanho era a fonte de renda (I Sm 17:15). Davi mostrou ser digno de confiança. Se queremos ser homens segundo o coração de Deus, devemos saber ser dignos de confiança em Deus.

4)Ser diligente: Davi era diligente e cuidadoso, e não desleixado e preguiçoso. Diz que se levantou de “madrugada”, deixou suas ovelhas com a guarda (I Sam 17:20). Davi prosperou em Deus porque era diligente (Pv 10:4). Ser dilignete é ser esforçado. Em muitas passagens vimos que Davi servia. Serviu aos seu irmãos e as tropas(I Sm 17:17-18). Se quisermos ser segundo o coração de Deus, devemos ser servos diligentes.

5) Ser corajoso: O valente não fica prostrado diante das afrontas quanto ao seu povo e seu Deus. Quando Golias afrontava o povo de Israel ele também afrontava a Deus. Sua coragem “em Deus” fez com que muitas vitórias obtivesse. Quantas vezes o povo de Deus se intimida com as críticas, se mostra indiferente quando zombam da nossa fé e quando falam mal de nosso Deus (I Sm 17:26) Davi se levantou contra o gigante acusador e disse: “Quem és tu, para nos afrontar”. Da mesma forma podemos nos levantar e dizer ao acusador Satanás: “Arreda daqui Satanás, pois tu não cogitas do das coisas de Deus. (Mt 16:23)

6)Ter personalidade: Davi sabia que Deus era com Ele. Davi não ouvia o que o homem diria. Eliabe seu irmão mais velho o criticou por ter deixado as ovelhas para “ver a guerra”. Na verdade ele não veio para ver a guerra, mas para ir a guerra. Saul também disse: “Você é muito jovem pra encara-lo , pois ele é homem de guerra desde a mocidade (I Sm 17:33). Davi tinha convicção em Deus. Davi teve personalidade quando não ouviu “palavras de homens”, teve personalidade quando testemunhou suas vitórias em Deus. Mal sabiam,seus compatriotas, que Davi também era homem de guerra e destemido,desde a infância, mas que sua guerra primeiramente atingia o plano espiritual.(I Sm 16:18).

7) Ter noção de Batalha Espiritual: Quando estava ministrando sobre a coragem de Davi, o Espirito Santo me fez lembrar que Davi tinha noção que aquela batalha não era contra Israel, mas contra o Senhor. Realmente Davi tinha noção desta batalha, pois diz: Eu não vim contra ti com espadas, nem lanças, mas em nome do Senhor(I Sm 17:45). Muitas vezes esquecemos que existe uma guerra espiritual por trás de tudo. Davi tinha essa noção espiritual acima das guerras terrenas. Uma vez o rei Saul foi atacado por um espírito maligno que o atormentava. Diz que Davi foi chamado para adorar a Deus na casa de Saul e esse espírito se retirou na vida do rei(I Sm 16:23). Podemos ver nisso a adoração como arma de ataque antes a perturbações espirituais. Devemos usar todas as armas que nos é dada para a batalha, sempre com autoridade em Deus, através das orações, da adoração e de diversas outras formas. Devemos saber que seguimos ao Senhor das Hostes, o Senhor dos Exércitos, poderoso nas batalhas.

Ser fiel: Davi era fiel para com os seus, mesmo quando perseguido. Davi mesmo sendo perseguido por Saul foi fiel até a morte para com este. Vemos isso em sua amizade com Jonatas. Diz que a amizade dos dois era tão grande, que excedia o amor de mulheres (I Samuel 1:26). Ser fiel a alguém demonstra também o nosso amor. A palavra empregada para este amor em hebraico é ahavá ou seja, doar-se. Davi era fiel para com seus e para com Deus. Por isso ele era segundo o coração de Deus.

9)Ser temente a Deus: A palavra do Senhor diz que: “O que encobre as suas transgressões nunca prosperará mas o que confessa e deixa alcança misericórdia”. (Pv.28:13)

A palavra exata em hebraico para arrependimento é charatá. Charatá enfatiza a tomada de uma nova conduta, arrependendo-se por ter cometido uma ação má, ou deixado de praticar uma boa ação, e desejando se comportar de uma forma nova a partir deste momento. Davi pecava como qualquer outro homem, mas este se arrependia. No caso do adultério com Bate-Seba (2 Sm 11,12:1-, vemos que quando o profeta anunciou que Davi era o “vizinho rico” que tinha roubado a ovelha de um homem pobre, logo este se arrependeu. Diz que as primeiras palavras de Davi ao saber seu erro foram: “Pequei contra o SENHOR” (2 Samuel 12:13).

Os Salmos 51 mostra o quanto Davi se arrependia. E sabia que o maior pecado era contra Deus (Sl 51:4).

Ele também sabia que um coração contrito e quebrantado o Senhor não despreza (Sl 51:17).

Pedia toda vez que confessava, que o Senhor o limpasse (Sl 51:7). Por ter intimidade com o Senhor, Davi sabia que a intimidade do Senhor é para aqueles que o temem (Sl 25:14).

Também aqueles que temem a Deus o Senhor os livra. Diz a palavra que: Os anjos do Senhor acampa ao redor daqueles que O temem e os livra (Sl 18:1-2) Davi venceu em Deus, porque na sua retaguarda havia um exército bem maior do que aqueles que ele possuia. Poucos sabiam que a força de Davi não estava nos seus braços, mas nos seus joelhos. Sua força não estava no seu braço forte, mas nas mãos do Deus Todo-Poderoso.

10)Ter Humildade: Davi apesar de já ser Rei, continuou sendo a mesma pessoa. Não vislumbrou seu reinado ser maior do que de Deus. Em algumas igrejas, muitos ministros “se acham” mais poderosos que Deus. Davi sabia que a humildade resultava como a única posição de autoridade em Deus. Ele acatava os conselhos de Samuel, de seu pai e de Saul. Davi poderia matar Saul, mas não o fez.

Ele não quis posição, nem ser famoso, apesar de ser reconhecido. Mas o maior reconhecimento de Davi veio do Senhor de ser segundo o coração de Deus.

Se você quer ser segundo o coração de Deus, não oculte suas transgressões, nem finja para Deus. Seja honesto para com o Senhor. O Senhor sonda os corações e conhece. O Senhor como um Pai zeloso, quer que reconheçamos nossos erros.

Quer que sigamos o seu chamado em nossas vidas. Quer que sejamos servos adoradores, maduros, diligentes e com personalidade.

Servos que não se intimidam, mas tem intimidade com Ele. Quer que sejamos fiéis e tementes, e que acima de tudo, que façamos segundo Sua a vontade.