sexta-feira, 22 de julho de 2011

Notícias do dia 22/07/2011




Folha de Pernambuco
Economia
22/07/2011

Italianos prospectam negócios


REPRESENTANTES da missão se reuniram com Campos

Um grupo de 32 empresários e representantes do governo da Lombardia assinaram ontem acordo de cooperação entre Per­nambuco e o estado italiano. Com propósito prospectivo e bilateral, o objetivo é viabilizar, sobretudo, a atuação no Estado de pequenas e médias empresas em setores como petróleo e gás, metalmecânico, energia e indústria naval. Além disso, a troca de experiências de formações técnicas profissionais também faz parte da missão, cujos representantes estiveram reunidos ontem com o governador Eduardo Campo. Nos últimos dois dias, 17 empresas italianas e 21 pernambucanas participaram de rodadas de negócios, com apoio da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe).

“As empresas daqui são de interesse do nosso cluster (arranjo produtivo), como as de óleo e gás, naval, energia renovável, tecnologia. A ideia é que pequenas e médias empresas desenvolvam atividades econômicas em Pernambuco”, disse o vice-governador da região da Lombardia, Andrea Gibelli. Casagrande Ingranaggi, Galbiati Group e a Pigozzi Impiantistica são algumas das empresas interessadas em vir para o Estado. “Trata-se de uma sinergia institucional e empresarial. Pernambuco é destino de grandes investimentos”, comentou o secretário do Governo, Maurício Rands.

“A vinda desses investimentos é importante, pois Pernambuco representa hoje 74% da indústria naval de todo o País”, disse o coordenador executivo da Fiepe, Antonio Sotero. Ele lembrou que, segundo dados do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), cerca de R$ 1,6 trilhão serão investidos nos próximos três anos em infraestrutura, indústria e edificações. Hoje, a comitiva visita o Complexo de Suape, onde assistirá apresentações de projetos, como o de empreendedorismo com jovens carentes do município de Rio Formoso - denominado Nossa Juventude -, que conta com diversos parceiros, entre eles, a Usina Cucaú

.

folha econômica
Italianos buscam parcerias
Os italianos estão de olho em Pernambuco. Ontem, uma delegação de empresários e representantes do governo de Lombardia assinaram um protocolo de cooperação com o Estado. A ideia é promover a integração entre as empresas locais e italianas dos setores de metalmecânica, petróleo, gás e indústria naval e offshore. E as parcerias são importantes. Hoje, Pernambuco é responsável por 74% das encomendas da indústria naval brasileira. Isso com o funcionamento de apenas um estaleiro. E, vale lembrar, que ainda temos mais dois estaleiros sendo construídos no Estado. Ou seja, será necessário mais empresas fornecedoras. E a Itália pode nos ajudar neste sentido. A província de Lombardia possui hoje 850 mil pequenas e médias empresas. Todas em busca de parcerias. E o Governo do Estado vai além. O sonho é consolidar as parcerias com os italianos para que esses possam participar do desenvolvimento da Zona Norte do Estado. Inclusive, segundo o secretário de Governo, Maurício Rands, eles podem entrar na disputa para operar o Porto do Litoral Norte, caso a viabilidade do projeto seja comprovado. São as oportunidades batendo à nossa porta. Agora, por enquanto, tudo não passa de possibilidades. Este foi apenas o primeiro contato. O namoro está apenas no começo.


Diário de Pernambuco
Diário econômico
22/07/2011

Italianos estreitam relações
Empresários da região da Lombardia visitam estado e assinam protocolo de cooperação


Uma delegação de 32 empresários e representantes do governo da Lombardia, na Itália, está em Pernambuco para uma visita de dois dias. Ontem, eles assinaram um protocolo de cooperação com o governo estadual objetivando estreitar as relações econômicas, sociais e culturais. O acordo prevê investimentos e parcerias em áreas como energia, óleo e gás, naval, metalmecânica, siderurgia e alimentos.

Segundo o vice-governador e secretário de Indústria, Pequena Empresa, Construção e Cooperação da Região Lombardia, Andrea Gibelli, a ideia é aproximar as pequenas e médias empresas italianas das pequenas e médias empresas locais. A região da Lombardia possui cerca de mil grandes empresas, 500 multinacionais e mais de 850 mil pequenos e médios negócios.

“Acreditamos que essas pequenas e médias empresas, juntamente com as empresas locais, podem complementar a cadeia de fornecedores de grandes empreendimentos, como a Refinaria e a própria Fiat”, declarou. A partir desse entendimento, empresários das duas regiões poderão fazer intercâmbio de tecnologias, aumentar sua competitividade e fornecer bens e serviços para os empreendimentos estruturadores implantados ou em implantação no estado.

À tarde, na Fiepe, a delegação italiana participou de uma rodada de negócios. Foram mais de cem encontros, envolvendo 17 empresas da Lombardia e 21 pernambucanas. Hoje, um grupo irá conhecer o Complexo Industrial Portuário de Suape.“Pernambuco está crescendo em ritmo chinês. Somente na indústria naval temos 74% das encomendas e se as empresas italianas se nacionalizarem, se beneficiarão muito mais”, observa o coordenador executivo do Núcleo de Desenvolvimento da Fiepe, Antônio Sotero.

A delegação chegou ao Brasil na quarta-feira. Antes do Recife, o grupo participou de reuniões com a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, Petrobras e BNDES. Foi a quarta missão dos italianos ao Rio de Janeiro, mas a primeira a Pernambuco. A vinda dos empresários da Lombardia foi acertada durante visita do governador Eduardo Campos a Milão, em março deste ano.

domingo, 17 de julho de 2011

Noticias interessantes





Edições Anteriores

Folha de Pernambuco
08/07/2011


Fábrica da Fiat continua prevista para Suape e pode ter unidades em Goiana



O secretário estadual da Casa Civil, Tadeu Alencar, revelou, ontem, que, em conversas com a direção da Fiat, o governo tem argumentado que a montadora pode obter “condições favoráveis” se optar por transferir unidades de sua planta de Suape para Goiana, na Mata Norte - a empresa e seus fornecedores devem investir R$ 10 bilhões em Pernambuco. Alencar garantiu, que o governo não está estimulando a montadora a trocar de município. Contudo, se a montadora escolher levar partes de suas instalações para Goiana, a gestão tende a não se opor, já que tem como meta desenvolver o Estado como um todo. Em agosto, a Fiat anunciará sua decisão durante audiência pública que acontecerá na Comissão de Desenvolvimento Econômico da Assembleia Legislativa.
“O que fizemos em diversas conversas - isso é um processo dinâmico - foi colocar as condições favoráveis à Fiat e ao governo, na medida em que, se uma parte das empresas associadas ao ciclo de produção quiserem se instalar lá (em Goiana), não estarão tão longe de Suape. Uma pista de teste, ou, eventualmente, um centro de treinamento”, exemplificou Tadeu Alencar. O secretário destacou aspectos pró-Goiana, a exemplo do fato de o município dispor de um terreno plano, o que pouparia a realização de uma terraplanagem.
O titular da Casa Civil ressaltou quer o Litoral Norte está “a necessitar de uma indução do poder público”. “Nós vamos fazer isso a partir da retirada do presídio de Itamaracá. O governo não está estimulando nada. O compromisso que nós temos com o Cabo, temos com Nazaré da Mata, com Goiana, com Olinda, com Recife”, pontuou Tadeu, enfatizando que a gestão tem “profundo respeito” por todas a regiões.
Com pretensões de disputar pela segunda vez a Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho, o deputado estadual Betinho Gomes (PSDB) criticou a eventual mudança da sede da Fiat, destacando que a instalação da montadora trata-se de uma “conquista do povo cabense” e do Litoral Sul. Em contraponto, Alencar salientou que “ninguém pode reclamar que o governo não cuida do Cabo”. “Se, por ventura, eles (da Fiat) quiserem deslocar parte desse empreendimento para o Litoral Norte, faz parte do negócio”, justificou.


09/07/2011

Goiana leva investimentos da Fiat

Nada de Suape. Mata Norte terá fábrica, pista de testes e centro de pesquisa


ESCOLHA é interessante do ponto de vista político, para ajudar na meta de interiorizar desenvolvimento

Contrariando os posicionamentos oficiais do Governo de Pernambuco e da Fiat, o superintendente da Sudene, Paulo Fontana, garantiu que a montadora desistiu de se instalar em Suape e vai levar todos os investimentos para Goiana. O município da Zona da Mata Norte receberá a fábrica, a pista de testes e o centro de pesquisas. “É isso mesmo. Está 100% certo. Mais tarde ainda serão confirmadas cerca de 60 empresas fornecedoras”, assegurou. Segundo ele, os empreendimentos vão ocupar uma área de 12 milhões de metros quadrados. Com a confirmação, os paraibanos ficarão geograficamente muito mais próximos da montadora. Os vizinhos já fo­ram procurados por fornecedores do setor automotivo.

Por outro lado, interlocutores do Palácio do Campo das Princesas confirmaram a instalação de apenas duas unidades da Fiat em Goiana: a pista de testes e o centro de pesquisas. A sede da montadora, segundo os palacianos, continua prevista para Suape. O anúncio, contudo, será feito em conjunto pelo Governo e pela montadora, provavelmente em agosto, quando da realização de uma audiência pública na Comissão de Desenvolvimento Econômico da Assembleia Legislativa.

A ideia partiu do fabricante, mas obteve rápida aceitação por parte do Estado. Para o Governo, a mudança é interessante tanto do ponto de vista administrativo, já que acarretaria uma economia de mais de R$ 300 milhões em terraplanagem, quando do político, porque ajudaria na meta de interiorizar o desenvolvimento, uma proposta de campanha de Eduardo Campos. Anteontem, o secretário estadual da Casa Civil, Tadeu Alencar, afirmou que, em conversas com a direção da Fiat, o Governo tem argumentado que a montadora pode obter “condições favoráveis” optando por Goiana. Alencar ponderou que o interesse da gestão nunca foi tirar a fábrica de Suape.

O Governo da Paraíba endossa a implantação de unidades na Mata Norte. Aliado de Eduardo, o governador Ricardo Coutinho fez lobby, com o objetivo de atrair investimentos e empregos para o seu estado. A Fiat conta com 150 fornecedores, pelo menos 50 deles devem se instalar no entorno da montadora. Grupos interessados em fornecer à Fiat estão analisando a possibilidade de abrir as portas em Cabedelo (PB), que fica a aproximadamente 60 quilômetros de Goiana, mas aguardam um posicionamento oficial do fabricante para bater o martelo, segundo o presidente da Federação das Indústrias da Paraíba (Fiep), Francisco Buega Gadelha.

“É um município que tem um excelente porto, que nem foi engolido pela cidade e nem está saturado”, atestou. De acordo com ele, a Fiat sairia beneficiada por ser “contemplada” com a competência dos dois estados. “Seria uma planta bi-estadual. Fornecemos engenheiros para diversas montadoras no País”, disse. Entre as possíveis cidades paraibanas que sofreriam impactos positivos com a decisão estão João Pessoa, Campina Grande, Santa Rita e Bayeux.


Diário de Pernambuco

ADMITE-SE


Conheça as sete forças que o levarão ao sucesso
MIRELLA FALCÃO
Empresário, showman do Aprendiz, cantor nas horas vagas. É ele, Roberto Justus, quem dá a receita


A vencedora do Aprendiz


Vontade, visão, caráter, persuasão, criatividade, coragem e paixão. Essas são “as sete forças que levam você ao sucesso”, na opinião de Roberto Justus, que esteve no Recife, na semana passada, para uma palestra com este tema, em evento de comemoração dos dez anos do Tecon Suape. Para o publicitário, empresário e ex-apresentador do programa Aprendiz, essas características estão muito relacionadas à conquista de cargos de liderança, mas podem ser perseguidas por qualquer pessoa que deseja alcançar a realização profissional.

“Sem força de vontade, qualquer esforço é em vão. Essa força se expressa através da determinação para alcançar nossos objetivos”, defende Justus. De acordo com ele, faz parte dessa jornada renunciar a prazeres ou gratificações momentâneas em prol de algo futuro. “O brasileiro tem dificuldade de pensar no longo prazo. Costumo fazer um teste com as pessoas na rua, perguntando o seguinte: você prefere R$ 200 agora ou R$ 300 no mês seguinte? Todos preferem receber o dinheiro na hora. Não pensam que poderiam receber 50% mais se esperassem 30 dias”, comenta.

“O vencedor não é quem faz melhor agora, mas quem enxerga melhor o que está à frente. Você é o que você vê. Tudo na vida pode ser visto de diferentes perspectivas. E uma visão significativa sempre antecede realizações significativas”, ressalta Justus. Nesse sentido, o empresário critica a postura de funcionários que não têm “visão” sobre o mercado da empresa em que atua. “Quanto a empresa faturou? Como se posicionaram os concorrentes? Um bom líder, inclusive, tem de dividir essas informações com a sua equipe.”

Caráter

O caráter também faz a diferença no mercado de trabalho. Os líderes devem ser os primeiros a darem o bom exemplo para que toda a empresa funcione bem. “Uma pessoa de caráter nunca tenta ser o que não é”, diz Justus. Dessa forma, nas entrevistas de emprego, a dica é nunca tentar passar uma imagem que não é verdadeira. Já para ter força da persuasão, o segredo é acreditar na ideia ou no objeto que se pretende vender, em si mesmo e também nos outros. “Ninguém vende o que não compra. Para vender é preciso saber se vender. E para se comunicar é preciso saber ouvir os outros”, ressalta.

“Só quem tem uma vida extraordinária tem ideias extraordinárias. Muitos acham que a vida é só trabalho e acabam enferrujando”, destaca o empresário. Ter coragem também é fundamental. “É preciso correr riscos, ter coragem de mudar o rumo da carreira. Não se acomodar. E não há idade para mudar”, enfatiza Justus. E, por fim, outra chave do sucesso é ter paixão pelo que faz. “Uma empresa não é resultado de um grande trabalho, mas de pessoas felizes e apaixonadas. Ou você faz algo entusiasmante ou simplesmente a resposta é não”, conclui.

Roberto Justus

Líderes aparecem desde pequenos


Qual é o perfil de profissional contratado por Roberto Justus?
Hoje em dia eu só entrevisto pessoas que vão ocupar cargos de direção, de coordenador ou outras posições importantes. Mas nunca contrato alguém por um pedaço de papel. A formação acadêmica é importante. Mas não é só isso. Chama a minha atenção a postura da pessoa, a adequação dela para o que eu pretendo que vá desenvolver, a iniciativa, a determinação, a ênfase que ela dá aos assuntos, a paixão que ela tem pelo que faz e a informação que tem sobre o meu negócio.

Como se dar bem em uma entrevista de emprego?
Não tente passar uma imagem que não é verdadeira. Pode-se ganhar alguns por algum tempo, mas não todos por muito tempo. Fale das suas deficiências para o seu empregador: “Os meus defeitos são esses. Não me põe numa equipe porque é duro para mim me relacionar com as pessoas. Me dá um cargo diferente”. Se você começa a falar as coisas, o empregador vai ficar tão surpreso... Ele está esperando que você minta do começo ao fim. E vai tentar com a experiência dele entender quem realmente você é. Se você ajudar ele nesse processo, pode se dar muito mal. Mas, com certeza, as chances de se dar bem são muito grandes.

É fácil identificar essas sete forças faladas na palestra durante uma entrevista?
Não é fácil. Eu sempre brinco dizendo que o Aprendiz (programa de televisão apresentado por ele na TV Record, entre 2004 e 2009) é a melhor entrevista de emprego que eu já fiz. Se qualquer empresa tivesse a oportunidade de avaliar candidatos como eu tive, durante quatro meses, nas mais diversas situações, colocando tarefas inacreditáveis para eles resolverem, sempre com surpresas… Hoje, para alcançar o sucesso, é preciso ter resiliência. As variáveis não controláveis que aparecem na vida da gente, a qualquer momento, são tão grandes que se a pessoa não souber lidar com isso estará perdida. Isso eu não consigo ver em uma entrevista de emprego. Mas eu conseguia ver no Aprendiz.

Para você, a liderança é algo inato?
Acho que a característica de ser líder vem desde pequenininho. Eu sempre fui representante de classe, diretor de centro acadêmico da faculdade… Ninguém se torna líder depois de mais velho. Não sei se nasce com a gente, se é influenciado por alguma coisa. Mas é uma característica que a pessoa já demonstra quando criança e que vai desenvolvendo essa ênfase na vida de querer liderar processos, tomar decisões e correr riscos.

Que conselhos você daria para quem quer mudar de emprego?
Se você está insatisfeito com o seu trabalho, vá buscar alguma coisa que você ame fazer. Comece a pesquisar, a descobrir e vá atrás que as oportunidades aparecem. Pode vir mais cedo para uns, mais tarde para outros. Não se acomode, com medo de que não vai acontecer nada. Talvez você precise se manter naquela vaga por um período, mas não fique muito tempo. O problema é que o cavalo passa nas frentes das pessoas, mas muitas delas não veem e não sobem nele. Aí ele vai embora e talvez não volte nunca mais.


Notícias do dia

Diário de Pernambuco
Diário econômico
11/07/2011

Parceria

A belíssima decoração que fez para a festa do Tecon Suape deve ter marcado o início de uma parceria entre a Arcádia e Andréa Manzi.


Portos e Navios
11/07/2011



Porto cearense lidera ranking de exportações de frutas e calçados


Noticiário cotidiano - Portos e Logística




O Complexo Portuário do Pecém, no Ceará, segue liderando no ranking de exportações de frutas e calçados e está na segunda colocação na exportação de algodão e em terceiro na importação de produtos siderúrgicos, segundo dados da Secretaria do Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Secex).

O levantamento mostrou que Pecém tem participação de 33% nas exportações de frutas entre todos os portos nacionais. O complexo portuário superou os portos de Santos (SP), Rio Grande (RS), Mucuripe (CE) e Itajaí (SC). O porto de Pecém também é responsável por 33% das exportações de calçados, número superior a outros complexos do país que atuam no segmento, como Rio Grande (RS), Santos (SP), Mucuripe (CE) e Salvador (BA).

Além da liderança na exportação de dois produtos, o complexo cearense ficou na vice-liderança do algodão, registrando uma participação 12% e ficando atrás do porto de Suape (PE), que obteve 38% das exportações.

Aumento de 17% na movimentação em 2011
Segundo a Companhia de Integração Portuária do Ceará (Cearáportos), o porto do Pecém já movimentou 1,3 milhão de toneladas em 2011, um aumento de 17% em relação ao mesmo período do ano passado, quando registrou 1,1 milhão de toneladas de janeiro a junho. A movimentação de cargas obteve registro de 379.000 toneladas de participação das exportações e de 998.000 toneladas de produtos importados.

Confira o ranking divulgado pela Cearaportos dos produtos que registraram maior volume nas exportações e importações de longo curso até junho de 2011:

Exportações:
Carga Quantidade
Frutas 76.000 toneladas
Minérios 56.000 toneladas
Carne 12.000 toneladas
Calçados 8.000 toneladas

Importações:
Carga Quantidade

Produtos Siderúrgicos 184.000 toneladas
Combustíveis minerais 141.000 toneladas
Clínquer 100.000 toneladas
Escória 85.000 toneladas



Empresas nacionais querem ampliar parcerias no setor naval


Recife/São paulo - Há uma forte movimentação de empresas brasileiras ligadas à indústria naval, entre estaleiros, empresas de contêineres e movimentação de cargas, entre outras áreas dessa cadeia, de tentar ampliar suas parcerias no País, inclusive para fazer frente à investida de empresas estrangeiras. É o que afirma o representante da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), Pedro Pezzi. "Estamos vivendo um ciclo de desenvolvimento com oportunidades, o qual precisa ser aproveitado agora. Os espaços que a gente não ocupar, os investidores estrangeiros ocuparão. Estamos imbuídos de um sentimento de Brasil e não com a ideia de concorrência regional", garantiu ele.

Prova disso é que uma delegação vinda do Rio Grande do Sul com 41 empresários e autoridades públicas esteve em Pernambuco para definir os rumos do intercâmbio entre empresas gaúchas e locais na indústria naval. Com dois polos navais em franco desenvolvimento - os complexos de Suape (PE) e Rio Grande (RS) - os dois estados pretendem cooperar na criação de chances de negócios para suas empresas.

De sua parte, o diretor do projeto Suape Global, Silvio Leimig, garantiu que existe complementariedade entre os dois polos navais, o que deve gerar oportunidades de negócios para ambos. Com cinco estaleiros, o Complexo de Rio Grande tem mais experiência no setor. Por isso, o que deve acontecer primeiro é a instalação de empresas gaúchas em Pernambuco.

Evento

O intercâmbio entre Rio Grande do Sul e Pernambuco faz parte do mencionado projeto Suape Global. Sua próxima etapa se dará em 18, 19 e 20 de outubro, no evento Pernambuco Petroleum Business, que reunirá pesquisadores e investidores do setor. Há outras novidades para os portos nordestinos. Executivos da Fiat anunciaram, semana passada, que pedirão o apoio da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) para a fábrica que farão em Suape. Segundo o presidente da Sudene, Paulo Fontana, a proposta da Fiat é investir R$ 7,2 bilhões no projeto. Os investimentos iniciais no período de 2011 a 2014 abrangeriam a construção da fábrica, de centro de pesquisa, projeto e desenvolvimento de novos produtos e plataformas, além de treinamento.

Suape, a propósito, se prepara para um novo salto: espera-se que ali estejam sendo movimentadas 30 milhões de toneladas de carga/ano em 2013, quando se dará o início das operações de Abreu e Lima (refinaria da Petrobras em construção no local) e do escoamento de produção que será trazido ao complexo pela estrada de ferro Transnordestina.

Pecém

Outro porto que vem se destacando é o do Estado do Ceará, Pecém. O movimento de cargas ali expandiu-se 17% nos primeiros seis meses de 2011 em relação a igual período de 2010, quando foi registrado o fluxo de 1,173 milhão de toneladas. Antes disto, a dois anos atrás, haviam passado por ali só 698.656 toneladas.

Já no primeiro semestre deste ano, esse número quase dobrou, estimam especialistas do mercado. A perspectiva é que tenham sido atingidas 1,377 milhão de toneladas. Pecém é líder nacional na exportação de frutas (33% do total nacional) e calçados (também 33%) e vice-líder na de algodão (12% do total nacional). Neste último item só é superado por Suape, que concentra 38% das exportações de algodão brasileiras. Pecém já movimentou 1,3 milhão de toneladas em 2011 - um crescimento de 17% sobre o mesmo período do ano passado.

Outros complexos portuários nordestinos também vêm se destacando. Estima-se que, quando ficar pronta, a refinaria Premium I - em Bacabeira (MA) - deverá dobrar a movimentação de navios no porto de Itaqui. Também Pecém se beneficiará com uma refinaria: ainda em 2011 se iniciará a construção da Premium II no complexo, a qual tem previsão de começar a operar em 2017.

Necessidade

E semana passada o consultor da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Luiz Antônio Fayed, afirmou a necessidade de se ampliar a capacidade dos portos brasileiros em 70 milhões de toneladas até 2020 só para o agronegócio, o que equivale a 10% do trânsito de mercadorias em 2010 nos portos nacionais.

Em 2010, disse ele, o agronegócio exportou R$ 63 bilhões. Fayed destacou também que, há 50 anos, o Brasil era importador de alimentos e hoje é o 2º maior fornecedor do mercado internacional destes produtos, atrás apenas dos EUA. "Deveremos superar os Estados Unidos em um horizonte de cinco a dez anos, porque eles já não têm mais fronteira agrícola a ocupar, ao contrário do Brasil", disse ele.

Portos

A Secretaria Nacional de Portos deverá publicar até o fim desta semana editais para a continuidade das obras de melhoria de infraestrutura nos sete principais portos do País. O objetivo é investir R$ 740 milhões até o final de 2013, quando as obras deverão estar concluídas. De acordo com o ministro Leônidas Cristino, serão feitas obras de dragagem nos portos para permitir a ancoragem de grandes embarcações, que precisam entre 12 e 15 metros de profundidade. "Só depois de feita a dragagem é possível melhorar as condições dos terminais de passageiros nos portos", disse em entrevista ao programa Bom Dia, Ministro, produzido pela Secretaria de Comunicação Social em parceria com a EBC Serviços.

A Secretaria Nacional dos Portos implementou o Plano Nacional de Logística Portuária, para atender à demanda durante os megaeventos esportivos que vão acontecer no País, nos próximos anos. O ministro destacou que "o País precisa sempre melhorar os portos.

domingo, 10 de julho de 2011

Professora do RN que criticou a educação recusa prêmio de empresários



Vídeo que tornou a professora conhecida em todo Brasil.

O Site Conversa Afiada recebeu o seguinte e-mail do amigo navegante Zé Carlos:

Olá Geórgia, tudo bem?

Lembra da professora Amanda Gurgel, do Rio Grande do Norte?
Pois ela acaba de recusar o prêmio “Brasileiros de Valor 2011″ do Pensamento Nacional de Bases Empresariais (PNBE).
Em carta, a professora Amanda expõe seus motivos. Diz que sua luta é outra e que espera para debater a privatização do ensino e o papel de organizações e campanhas que se dizem “amigas da escola”. (plim-plim)!
Veja a carta aqui. (Leia abaixo – PHA)

Bom trabalho, um abraço e boa sorrrrte! Extensivos ao PHA.

zcarlos


--------------------------------------------------------------------------------



Por que não aceitei o prêmio do PNBE


Oi,

Nesta segunda, o Pensamento Nacional de Bases Empresariais (PNBE) vai entregar o prêmio “Brasileiros de Valor 2011″. O júri me escolheu, mas, depois de analisar um pouco, decidi recusar o prêmio.


Mandei essa carta aí embaixo para a organização, agradecendo e expondo os motivos pelos quais não iria receber a premiação. Minha luta é outra.


Espero que a carta sirva para debatermos a privatização do ensino e o papel de organizações e campanhas que se dizem “amigas da escola”.

Amanda


Natal, 02 de julho de 2011

Prezado júri do 19º Prêmio PNBE,

Recebi comunicado notificando que este júri decidiu conferir-me o prêmio de 2011 na categoria Educador de Valor, “pela relevante posição a favor da dignidade humana e o amor a educação”. A premiação é importante reconhecimento do movimento reivindicativo dos professores, de seu papel central no processo educativo e na vida de nosso país. A dramática situação na qual se encontra hoje a escola brasileira tem acarretado uma inédita desvalorização do trabalho docente. Os salários aviltantes, as péssimas condições de trabalho, as absurdas exigências por parte das secretarias e do Ministério da Educação fazem com que seja cada vez maior o número de professores talentosos que após um curto e angustiante período de exercício da docência exonera-se em busca de melhores condições de vida e trabalho.


Embora exista desde 1994 esta é a primeira vez que esse prêmio é destinado a uma professora comprometida com o movimento reivindicativo de sua categoria. Evidenciando suas prioridades, esse mesmo prêmio foi antes de mim destinado à Fundação Bradesco, à Fundação Victor Civita (editora Abril), ao Canal Futura (mantido pela Rede Globo) e a empresários da educação. Em categorias diferentes também foram agraciadas com ele corporações como Banco Itaú, Embraer, Natura Cosméticos, McDonald’s, Brasil Telecon e Casas Bahia, bem como a políticos tradicionais como Fernando Henrique Cardoso, Pedro Simon, Gabriel Chalita e Marina Silva.


A minha luta é muito diferente dessas instituições, empresas e personalidades. Minha luta é igual a de milhares de professores da rede pública. É um combate pelo ensino público, gratuito e de qualidade, pela valorização do trabalho docente e para que 10% do Produto Interno Bruto seja destinado imediatamente para a educação. Os pressupostos dessa luta são diametralmente diferentes daqueles que norteiam o PNBE. Entidade empresarial fundada no final da década de 1980, esta manteve sempre seu compromisso com a economia de mercado. Assim como o movimento dos professores sou contrária à mercantilização do ensino e ao modelo empreendedorista defendido pelo PNBE. A educação não é uma mercadoria, mas um direito inalienável de todo ser humano. Ela não é uma atividade que possa ser gerenciada por meio de um modelo empresarial, mas um bem público que deve ser administrado de modo eficiente e sem perder de vista sua finalidade.


Oponho-me à privatização da educação, às parcerias empresa-escola e às chamadas “organizações da sociedade civil de interesse público” (Oscips), utilizadas para desobrigar o Estado de seu dever para com o ensino público. Defendo que 10% do PIB seja destinado exclusivamente para instituições educacionais estatais e gratuitas. Não quero que nenhum centavo seja dirigido para organizações que se autodenominam amigas ou parceiras da escola, mas que encaram estas apenas como uma oportunidade de marketing ou, simplesmente, de negócios e desoneração fiscal.


Por essa razão, não posso aceitar esse Prêmio. Aceitá-lo significaria renunciar a tudo por que tenho lutado desde 2001, quando ingressei em uma Universidade pública, que era gradativamente privatizada, muito embora somente dez anos depois, por força da internet, a minha voz tenha sido ouvida, ecoando a voz de milhões de trabalhadores e estudantes do Brasil inteiro que hoje compartilham comigo suas angústias históricas. Prefiro, então, recusá-lo e ficar com meus ideais, ao lado de meus companheiros e longe dos empresários da educação.


Saudações,
Professora Amanda Gurgel

----------------------------------------------------------------------------------------

Fonte: Conversa Afiada (Paulo Henrique Amorim) \ (Blog da professora Amanda)

-------------------------------------------------------------------------------------

Bem... o que posso dizer perante a tudo isso é mais uma vez... Parabéns Professora Amanda, mais uma vez a senhora está mostrando para este país que faz parte de uma geração de educadores que veio para fazer a diferença.

Que Deus seja com a senhora!

Receba meu fraterno abraço e apoio.

Sds,

Lázaro Maxuel

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Redes sociais versus produtividade




Elas podem comprometer sua eficiência. Veja dicas para diminuir o desperdício de tempo!

Sua mesa do escritório é uma zona de guerra, uma pilha de papéis, mil relatórios para fazer, mas você não resiste em dar uma checada nas redes sociais a cada cinco minutos do expediente, acertei? Facebook, Twitter, Orkut, Youtube e Foursquare, a vida social na internet não dorme e a sensação é de que qualquer tempinho longe dela vai te tornar o mais desatualizado dos seres.

Quando se tornam um vício, as páginas sociais na internet são grandes vilões da carreira. Enquanto você acompanha em tempo real que "fulano está em um relacionamento sério com ciclano" ou que "beltrano curtiu isto", a produtividade no trabalho cai e o emprego corre perigo. Pensando nisso, Christian Barbosa, especialista em administração do tempo e autor do livro "Dona do Seu Tempo", ensina dez dicas para fugirmos das armadilhas das rede sociais. Confira!

1 - Seja seletivo nas suas redes - Quantidade de redes não é qualidade. Para que participar de redes sociais que não sejam relevantes? O ideal é focar nas principais redes onde seus amigos e interesses estão localizados.

2 - Cancele e-mails de notificações - Todas as redes permitem configurar o aviso de recebimento de e-mails. O melhor é cancelar todos, assim você comanda a rede e acessa quando quiser, caso contrário vai ser difícil controlar a vontade de saber porque você foi "taggeado" na foto da sua amiga.

3 - Determine um foco nas redes - Crie uma estratégia para cada rede que você tiver, por exemplo, se você for utilizar o Twitter para fins profissionais, não misture com coisas pessoais. Muitas empresas utilizam as redes sociais na hora de contratar um profissional, cuidado! Evite fotos comprometedoras e não se queime no perfil, com fotos, textos e comentários.

4 - Determine horários - O problema não é o uso, mas os excessos. Utilize seus horários antes ou após o expediente e seu horário de almoço caso queira acessar as redes no trabalho para fins pessoais.

5 - Siga poucas pessoas, mas relevantes - Para que seguir gente que não tem nada a ver ou que o conteúdo se tornou irrelevante? Faça uma dieta de pessoas que você segue, repare nos próximos dias quem não tem agregado valor e simplesmente deixe de seguir esta pessoa.

6 - Utilize agregadores - Existem sites e softwares que permitem centralizar suas redes sociais ou atualizar a partir de um único post. O TweetDeck, por exemplo, permite atualizar Facebook, Twitter e Linkedin de uma só vez. Outro site bacana é www.threadsy.com que junta e-mails e suas redes em um só lugar.

7 - Seja relevante nas suas redes - As pessoas gostam de seguir pessoas que fornecem um conteúdo relevante na medida certa e com periodicidade. Aquele chato que "twitta" muito de uma vez só, acaba perdendo seguidores. E o que "twitta" posts dizendo que acordou de mau humor também não agrega.

8 - Aproveite seu tempo de espera - Para quem tem acesso à internet pelo celular, deve aproveitar o tempo de espera no consultório do médico, dentista ou no aeroporto. Que tal?

9 - Rede social não quer dizer tempo real - Não sinta-se obrigado a responder uma mensagem na mesma hora que a pessoa te enviou. Se fosse urgente de verdade, ela encontraria outra forma de falar com você.

10 - A vida existe lá fora - Não é porque a vida social é cada vez mais digital que você vai se esconder atrás de um computador em seus relacionamentos. É preciso reservar um tempo para estar junto com os amigos e família presencialmente!

Fonte: MSN - Bolsa de Mulher